10/07/2021

Artigos

Moodboard: criando seu painel semântico

Você conhece ou já ouviu falar em moodboard? Saiba como este painel pode ajudá-lo a combinar elementos decorativos e traduzir sua personalidade. Confira! 

O que é um moodboard? 

Moodboard, conhecido também como prancha de temperamento ou painel semântico, é um painel que reúne referências visuais para projetos em diferentes áreas, como moda, design gráfico, arquitetura, decoração, entre outras. O foco principal é traduzir a personalidade de uma pessoa ou características da decoração por meio de objetos, amostras de acabamentos e revestimentos, bem como a utilização de imagens. 

Para os arquitetos e designers de interiores, o moodboard serve como uma ferramenta criativa e inspiracional, auxiliando a definir com mais assertividade qual o estilo de decoração.

Elaborar um moodboard é realmente importante? 

Com toda certeza! É necessário ter o projeto criativo não apenas como referência estética, mas também para identificar as diferentes possibilidades de combinações de texturas, materiais e paletas de cores que você irá trabalhar. Dessa forma, esses elementos o ajudam a definir qual será o caminho ou direcionamento criativo do seu projeto. 

Lembre-se que o moodboard será o ponto de partida para organizar suas pesquisas, traduzindo, em ideias, as demandas do que você ou um cliente espera no décor.

Passo a passo: montando o seu painel semântico (moodboard) 

Não há uma fórmula mágica ou um jeito certo de criar um moodboard, mas com o nosso passo a passo, iremos te ajudar a começar.

Primeiro passo: organize suas referências  

Neste primeiro passo, é importante que você crie um hábito por pesquisas de referências, e, tão importante quanto, é classificá-las e organizá-las em pastas de acordo com cada material que chame sua atenção. Ou seja, crie segmentos de pastas (referências de cozinhas, pisos, móveis, acabamentos etc.).

Segundo passo: escolha sua paleta de cores


A paleta de cores é um dos pilares do design de interiores, sendo importante garantir a harmonia dos tons em seu projeto. Portanto, mesmo que você não tenha conhecimento sobre como criar uma paleta harmoniosa, existem sites e aplicativos que permitem gerar essas paletas ou até mesmo extrair referências das cores de uma determinada imagem de decoração. Recomendamos o uso do Adobe Color, uma ferramenta gratuita e muito útil para esta etapa do seu moodboard. 

Terceiro passo: utilize todos os tipos de imagem que puder

Nesta etapa vale toda e qualquer referência que possa valorizar e compor sua decoração. Você pode recorrer a materiais físicos (revistas, catálogos etc.) e digitais (Instagram, Pinterest, Flickr, Behance, Unsplash, entre outras fontes para busca de referências).

Que tal seguir a GART no Pinterest? Temos diversas inspirações para ajudá-lo com o seu painel semântico. Confira clicando aqui.

Não se preocupe em procurar apenas por informações sobre decoração, qualquer imagem que desperte sua atenção pode vir a ser um insight interessante para elaborar ideias ainda mais criativas. Lembre-se sempre de que a ideia do moodboard é inspirar você. 

Quarto passo: identifique conceitos-chave

Após a coleta das imagens que te inspiram, faça uma análise e identifique quais são os elementos mais constantes: tonalidades, silhuetas, texturas, formas, tendências de decoração que de se destacam mais etc.

Verbalize essas constantes e crie uma lista de palavras, esta será importante para você guiar e delimitar o seu projeto de decoração. 

Reunindo todas as fotos que inspiram você, faça uma análise e identifique quais são os elementos mais constantes, ou seja, aqueles mais perceptíveis. Neste caso, atente-se às tonalidades, formas, acabamentos, tendências de decoração que tenham maior destaque etc. 

Logo após, transcreva essas constantes em uma lista de palavras. Isso será importante para você guiar e delimitar o seu projeto.

Faça um filtro das imagens

Com base nas imagens que você levantou, faça uma comparação entre elas e selecione aquelas que representem melhor sua concepção de estética para a decoração. O intuito é reduzir no mínimo possível o número de imagens para que sua ideia se torne algo mais viável. 

Moodboard: físico ou digital 

Não existe uma regra que determine qual dos dois é o melhor para criar o moodboard.  Porém, quando se pesquisa e analisa materiais com texturas, o moodboard físico tende a ser mais revelador, devido à possibilidade de testar os contrastes em superfícies, por exemplo. 

Ou ainda, você pode fazer o uso dos dois, começando pelo físico e passando para o digital, oferecendo mais possibilidades de criar decorações ainda mais incríveis. 

Não se prenda a regras 

A regra para construir o seu moodboard é que não há regras. O que determinará se o seu painel está no caminho correto é o resultado final, se, de fato, todos os elementos representam sua personalidade ou uma ideia totalmente original. 

Que tal explorar diversas possibilidades de decoração com os acabamentos GART? Temos uma linha completa de produtos para compor seu moodboard. Conheça-os acessando aqui.

E aí, está pronto para criar o seu moodboard? Esperamos que sim!  

GART

Você Especialista em Decoração